História das Paróquias da Diocese de Castanhal - Paróquia de Sant'Ana


A comunidade de Sant’Ana - hoje paróquia, localizada na vila centenária de Apeú, está intimamente ligada aos primórdios da história de nossa região. Em entrevista para TV Mãe de Deus, a neta de um dos irmãos colonizadores da localidade de Apeú, dona Ermenegilda, relatou as heranças orais que herdou de seus ancestrais.

Os irmãos que “colonizaram” a Vila eram descendentes de portugueses: Candido Lameira, bisavô de Ermenegilda, e Claro Lameira, foram os pioneiros a adentrarem e ocuparem aquela região através do rio, trazendo consigo a imagem e a devoção a Sant’Ana. Segundo os relatos de Ermenegilda, as orações e novenas ocorriam na sala de um dos irmãos, localizada próximo ao rio Apeú. Com o passar dos tempos foi construída uma capela ao lado da referida casa.

Nesse contexto de ocupação e desbravamento, a comunidade cristã foi observando as mudanças no entorno da vila, até mesmo a construção da estrada de ferro, que tinha em sua trajetória a comunidade apeuense. A terceira igreja da comunidade foi construída em frente a estação ferroviária.

Em meio à migração nordestina no fim do século XIX, segundo Franciane Lacerda em sua tese de doutorado, alguns nordestinos vieram com destino à vila de Apeú. Dentro dessa realidade, podemos imaginar muitos homens, mulheres e crianças em busca de melhorias de vida, cheios de expectativas sendo acolhidos na comunidade, e assim oravam todos juntos, em meio às dificuldades da época, com a proteção de Sant’Ana. Em um contexto de fé e esperança construíram aquela comunidade que se tornaria mais tarde paróquia.

Depois de uma longa história de devoção e perseverança, segundo o livro do tombo da igreja de Sant’Ana, a fundação da referida igreja, enquanto paróquia, data do dia 22 de janeiro de 1994, tendo como primeiro pároco padre Manoel Abrão Farias Pinto.

Muitos padres passaram e deixaram sementes germinando na paróquia, no entanto, padre Sebastião Fialho de Freitas, foi um pároco que deixo um enorme legado de obras pautadas nos ensinamentos do evangelho, que possibilitou a extensão da palavra de Deus a mais Cristãos daquela região.

Um dos momentos de grande importância na vida da paróquia foram as Santas Missões, que está registrada no livro do Tombo:

A 19 de outubro, com a celebração da santa missa por Dom Vicente Zico, arcebispo metropolitano, teve início as santas missões nesta paróquia, com o objetivo de chamar os fiéis que por um motivo ou outro, deixaram de participar” ( livro do tombo). Padre Sebastião Fialho, buscava vivenciar sua fé, e testemunhá-la com alegria em comunhão com a comunidade, como relata o livro do tombo: “O pároco se uniu a um grupo de fiéis e foi caminhando até Belém, em peregrinação à basílica de Nossa Senhora de Nazaré.”

Uma etapa inesquecível para toda a comunidade, ainda com a presença de Padre Sebastião, nos remete a um período embrionário da peregrinação da nossa romaria, presente nos registros da paróquia e nas lembranças dos fiéis:

Dia 16 de outubro de 1999 - Às 19:00 horas o pároco celebrou a missa de inauguração do santuário de Nossa Senhora de Nazaré, com a presença de muitos fiéis e de autoridades políticas, após a missa transcorreu a carreata que levou a imagem de Nossa Senhora de Nazaré até a matriz de São José em Castanhal, de onde no dia seguinte sairia a I romaria de Nossa Senhora de Nazaré, explica-se a construção deste santuário pelo fato de que no dia 15 de março de 1995, uma pequena imagem de Nossa Senhora de Nazaré, pertencente ao jovem Evaldo Costa, que residia em uma humilde casa, onde hoje é construído o santuário, chorou lágrimas de sangue” (Livro do Tombo)

Desde muito tempo, a referida paróquia e comunidades, recebiam a importante visita de Dom Carlos Verzelleti, na época, bispo auxiliar, hoje bispo da Diocese de Castanhal, sempre levando mensagens de ânimo, exortando as comunidades a testemunhar com vigor o evangelho. Assim os anos foram se passando na vila centenária de Apeú.

No dia 11 de maio de 2004, a paróquia é agraciada com a chegada das irmãs missionárias filhas de Jesus Crucificado, que permanecem até hoje na comunidade. Algumas retornaram após cumprirem uma etapa de sua missão, enquanto outras chegam cheias de alegria e sabedoria.

Em entrevista para o site da TV Mãe de Deus, Irmã Marinalva Alves Paixão, que chegou a Apeú no dia 26 de janeiro deste ano, nos falou um pouco de sua missão em Apeú:

A vinda das irmãs missionárias filhas de Jesus crucificado, foi realizada devido a um convite de Dom Vicente Zico, arcebispo de Belém, pois na época Castanhal pertencia a Diocese de Belém. O carisma da congregação é a doação total pela santificação do sacerdote, além do trabalho na formação de lideranças na comunidade, ajudando o sacerdote no desenvolvimento da paróquia, incluindo a parte administrativa.” Irmã Marinalva destacou no final de sua entrevista o documento da CNBB, que reflete a grande importância da paróquia enquanto "Comunidade de comunidades”.

Atualmente a paróquia de Sant’Ana tem como pároco o padre Adriano Nogueira, que é auxiliado pelas Irmãs Jesuina, Marinalva e Irmã Ioneide. A paróquia tem tido muitas alegrias com a administração do Pároco atual, pois está estruturando o setor da juventude, que a cada dia contagia mais jovens graças à organização, além dos vários grupos que evangelizam com a alegria do evangelho.

Luiz Tavares


103 visualizações