Missionárias de Santa Terezinha


Já colocamos no jornal COM deste mês muito mais informações acerca das religiosas Missionárias de Santa Teresinha. Elas estão presentes na nossa Diocese e o conteúdo aqui disponibilizado, faz parte de uma série que estamos realizando entre jornal COM e as comunidades por ocasião do Ano da Vida Consagrada.

Finalidade da Congregação

Exercemos o sacerdócio comum, ajudando o sacerdócio ministerial dos padres, suprindo na medida do possível, a escassez deles nas paróquias e nas vilas sem padres, de acordo com as normas da Igreja. Damos assistência às crianças, à juventude, aos doentes, aos pobres, ao povo em geral mediante missões, catequese, escolas, hospitais.

Irmã Sancha Augusta de Sousa e Silva reside em Ourém. No dia 4 de janeiro de 1950 fora acolhida com alegria pelas Irmãs Edith e Ângela Rigamont, na comunidade nascente.

As três Irmãs, alegremente, iniciavam a Congregação das Irmãs Missionárias de Santa Teresinha, sob a proteção da Santinha de Lisieux, procurando levar a todos a alegria de Jesus Ressuscitado .

A co-fundadora, Irmã Edith Almeida de Sousa, atualmente reside no Instituto Santa Teresinha em Bragança, Pará.

Recorda, saudosamente o dia 19 de março de 1945 quando foi residir no Instituto Santa Teresinha, e sob a orientação de Dom Eliseu, procurava cultivar sua vocação religiosa.

Em 19 de março de 1948, em Ourém, professou os santos Votos de Castidade, Obediência, Pobreza e Alegria, sendo, então a primeira Missionária de Santa Teresinha. Esteve sempre lado de Dom Eliseu em todos os momentos, ajudando- o na fundação da nova Congregação.

Em Castanhal somos quatro Irmãs: Irmã Anael Batista de Araújo, Irmã Rita Costa Santos, Irmã Arlete Barbosa e Irmã Teresinha do Vale.

Caminhamos há sessenta e um anos procurando irradiar a alegria e a paz de Jesus Ressuscitado.

Nossa Congregação atinge sua maturidade. Preservar os ensinamentos de nossos fundadores, estar em sintonia com eles é sinal de amor a Jesus e ao seu Reino. Santa Teresinha do Menino Jesus, nossa padroeira, entendeu sua vocação: o amor. Somente o amor pode transformar a vida. Realizar grandes feitos sem amor não tem sentido. É na pequenina gota de orvalho que brilha a esperança de quem acredita num amanhecer mais belo.


126 visualizações