Entrevista com o artista que desenhou para o Livro do Natal da Diocese e do Brasil


Conversamos com Luciano Tiago Beserra da Silva, o artista e seminarista que desenvolveu os desenhos para o Livro do Natal da Diocese de Castanhal, que será também publicado para todo o Brasil pela CNBB, ele, Tiago, nos apresentou com muita clareza como nasceu sua vocação e seus desenhos, e fomos também nós, nesta entrevista, convencidos de que o Espírito de Deus o iluminou e muito neste trabalho e nos ajudou a compreender mais sobre o seu processo criativo e de oração.

Ele também é Bacharel em Design (EUPA), Filosofia (IRFP) e graduando em Teologia (Católica de Belém)

COMA quanto tempo estás no seminário, como tem vivido a pastoral ultimamente e o que está estudando?

Tiago: Estou há quatro anos no seminário, hoje cursando o 2º ano de teologia na Faculdade Católica de Belém. Vivo na comunidade do Seminário Maior São João Paulo II [Diocese de Castanhal], com outros 20 jovens seminaristas, e nosso reitor, Pe Silvestre Sales. Aqui partilhamos a vida. Busco nas minhas experiências pastorais servir a Deus nos meus irmãos, foi o motivo pelo qual decidi caminhar: o serviço! O Bom Senhor me chamou para ser como ele no serviço, vestindo o avental e indo ao encontro do próximo. Atualmente estou servindo na Pastoral Vocacional, acompanhando os jovens que desejam ingressar no seminário e discernir melhor o chamado que o Senhor lhes faz, além de percorrer a diocese promovendo e animando vocações para nossa Igreja. Essa experiência tem me ajudado a discernir as dimensões do meu chamado e me auxiliando a configurar-me cada vez mais ao bom Pastor.

COMVocê também é um grande artista e fez faculdade nesse campo antes do seminário, como despertou também o dom artístico?

Tiago: Antes mesmo da minha formação em Design, sempre fui sensível às artes. Sempre estive envolvido com programações artísticas, fazia meus desenhos (já com sete anos fazia rabiscos com os primos e amigos de escola). Comecei fazendo cópias de outros desenhos, mas devagar fui me conscientizando sobre a transcendência da arte, do como ela era capaz de comunicar, e mais, de envolver a vida de quem aprecia uma obra, por exemplo. Acredito firmemente que foi Deus mesmo quem infundiu essa sensibilidade em mim e tornou meus olhos capazes de ver além da superfície das pessoas e das coisas em geral e, mesmo com técnicas simples, transcrever em linhas, formas e cores, a beleza que vem de Deus.

COMComo se deu o processo para os desenhos do livro de Natal da Diocese deste ano feitos por você?

Tiago: Nosso bispo, Dom Carlos Verzeletti, um grande bispo, promotor da arte e cultivador da beleza, com uma equipe (inclusive alguns irmãos aqui do seminário) estavam na organização da parte textual do livro, mas precisavam de alguém para as ilustrações, que são bem simples, poucas linhas, sem cores, mas que precisavam exprimir o essencial de cada encontro das Novenas de Natal. Eu tinha acabado de voltar do seminário para passar um tempo em casa, quando pela manhã dom Carlos me liga e pede que eu vá ao seu gabinete e me comunica o serviço. De pronto aceitei, mas quando me dei conta de que era um trabalho que superava as minhas proporções, tremi um pouco. Meu hábito é produzir coisas para o seminário, alguns amigos e meus projetos pessoais, mas algo para a CNBB, era algo completamente novo. Tentei colocar-me como humilde servo, devolvo a Deus o dom que Ele me deu, que Ele conduza, mesmo com minhas debilidades a sua obra. Dalí em diante comecei a estudar, a rezar e rabiscar; em quatro dias conclui todos os desenhos e entreguei a Dom Carlos.

COMO livro da Diocese foi publicado pela CNBB a nível nacional, como você pretende atingir as pessoas com sua arte neste Natal?

Tiago: O tema central da Novena de Natal deste ano é a iniciação à vida Cristã. Nos desenhos tentei expressar com a simplicidade de poucas linhas o que cada encontro quer transmitir, tanto que em cada desenho estão contidos elementos-chave dos encontros, o que com um pouco de atenção fica fácil de perceber. A cada desenho eu me perguntava: como encontrar motivações para minha caminhada a partir daqui, desta obra? Toda obra de arte é um espaço, um caminho, que se abre dentro de cada pessoa que conduz a um mistério, no caso da arte sacra esse mistério é Deus, eu pretendi oferecer mais um elemento, já que as imagens são auxiliares ao texto do livrinho, mais uma seta que aponta para o encontro com mistério de Deus que se revela, Deus que se fez carne e habitou entre nós.

COMQual a mensagem de fé que elas transportam e como você as desenvolveu no sentido teológico pastoral?

Tiago: Maria é muito presente nas ilustrações, é uma figura que permeia toda a caminhada do advento e tem seu ponto alto no Natal, quando dá lugar para o seu Filho. Essa é a mensagem, a meta: Jesus, Deus-homem no meio de nós, a mensagem é deixar que vejam Jesus. Como Maria foi conduzida e conduziu a Ele, as ilustrações querem conduzir para Jesus. O Advento é tempo de espera, preparação, vigilância, e aparece como um caminho no deserto, com o que Maria fez tantas vezes cruzando os desertos de Israel; nós, neste caminho de iniciação à vida cristã, ou seja, à vida de Cristo e com Cristo, procuramos ultrapassar este deserto, conduzidos pela luz desta estrela, Maria, que na sua simplicidade juvenil e humildade insuperável, aponta para Jesus; além disso, com a guia do Espírito Santo, ele passou, de forma comparativa, por um caminho de iniciação à vida cristã. Aparecem outros personagens: José, João Batista, Zacarias e Isabel, mas afinal todos preparam e apontam o caminho para Jesus. Foi disto que eu tentei carregar as imagens, mas talvez o Senhor tenha feito mais através de mim e tenha impresso nelas coisas que não estavam ao meu alcance; alguém com fé mais viva pode ver uma mensagem que eu mesmo não imaginei, mas que Ele, o verdadeiro autor, realizou pelas minhas humildes mãos.

COMAinda no sentido teológico pastoral, deixe uma mensagem para os artistas que também queiram evangelizar com suas artes e como transmitir o amor de Deus através delas.

Tiago: Aos irmãos artistas convido a contemplar... o nosso dom, que vem de Deus, mais do que as várias técnicas e formas expressivas, é o olhar atento, que vai além da superfície; um olhar que não se limita ao sentido da visão, mas que envolve todo o ser, tudo o que somos se comove com aquilo que contemplamos. Precisamos contemplar as pessoas, as coisas, o tempo, o espaço, a vida como um todo. Assim, podemos escutar a voz de Deus, através da criação, através da vida quotidiana; escutá-lO na sua Palavra encarnada, Jesus, nosso Amor, que é a imagem de Deus feito carne, ouvir dele a vontade do Pai para a nossa vida; e por fim, deixar o Espírito Santo agir em nosso corpo, ser dóceis à Sua ação que gera a unidade da Verdade na diversidade das cores que usamos. Nós amamos o Deus da beleza, quando ele criou o mundo, depois do quinto dia, diz o Gênesis, Ele viu que tudo era belo, mas depois que criou o homem, no sexto dia, ele viu que era muito belo... Em nós está a beleza que Deus quer comunicar e essa beleza se tornou plena quando Deus mesmo se fez homem: Jesus Cristo. Contemplemos a Beleza de Deus em Jesus e a beleza de Deus contida em cada um de nós, assim poderemos evangelizar e transmitir o Seu amor.


53 visualizações