Aniversário de instalação da Diocese e inauguração da Catedral


De instalação, 13 anos, mas nós, os diocesanos, comemoramos, também neste 27 de fevereiro, o 7º ano de aniversário da Catedral Santa Maria Mãe de Deus, a sede de toda a Diocese. Se todos, como eu, recordam bem, há não mais de 15 anos, o que tínhamos era apenas um terreno e duas mangueiras, um pouco depois tínhamos uma estrutura imensa em cimento na Avenida Barão do Rio do Rio Branco, toda rodeada de madeiras e andaimes. Era difícil acreditar que tão rápido teríamos alguma coisa concluída ali, e muito menos uma belíssima Catedral.

Foi muito cimento, ferro e pedra. Além de muitos trabalhadores que juntos, deixaram a história de suas vidas marcadas em cada parte do templo. Engenheiros, arquitetos, eletricistas, marceneiros, pedreiros e ajudantes, além de outros que direta ou indiretamente, com oferta em dinheiro ou materiais, depositaram ali, também a sua fé.

Até a finalização, esta que é a casa de Deus e do povo, passou por muitos acontecimentos felizes e outras provações. Lembramos em especial a acolhida das famílias que estavam sem teto em decorrência do alagamentos de um canal na cidade, ou mesmo das paralisações da obra por falta de verbas. Mas, cada um desses momentos serviram para o crescimento de todos.

O bonito é que a Catedral foi construída e todos aqueles que ajudaram são felizes por ter feito parte da construção e tudo aconteceu sem tirar das comunidades a liberdade de também prosseguir com seus trabalho pastorais ou mesmo com as suas construções, como é o caso da minha comunidade, que mesmo assim, ainda contribuía para a construção.

O certo é que a Catedral Santa Maria Mãe de Deus foi impressa na história de Castanhal e de outros 22 municípios, não como uma obra qualquer, mas como um símbolo de fé, confirmada desde seus alicerces e vivida em cada vida presente nas comunidades.

Outra beleza é ver a fé que suscita no coração de quem passa, católicos e outras denominações, veem e sabem que aquela casa é casa de Deus, é templo sagrado e dedicado inteiramente ao Senhor. Uma Catedral além de ser o núcleo de uma Diocese é também o centro da Igreja como povo, como referência de fé e motivação para que as comunidades também realizem, da mesma forma e com fé, as suas capelas, e nestas, encontrem a ligação com a Igreja Mãe e por isso somos comunhão, estamos ligados uns aos outros no sacramento ali celebrado, nos encontros ali realizados, pois comunhão existe quando se está de acordo e escuta o que Deus nos diz reunidos com os nossos irmãos e orientados pelos pastores da igreja que são os bispos.

Somos comunidade pelo fato de compreender o outro, acolher o outro, e estar a serviço do outro, e até nas decisões escutar o que nos diz a igreja, pois decidir sozinhos, ou pela cabeça de um, de dois, ou de um grupo é muitas vezes não estar atentos ao que diz a igreja. A igreja não é uma instituição que decide o que é bom ou é ruim, mas um organismo que escuta o seu povo, e sabe o que o povo sofre e necessita, como uma mãe que conhece a necessidade de cada filho, e por isso tantas vezes a necessidade de intervir junto aos governos quando estes decidem por projetos desumanos, contrários às necessidades de nosso povo, pois afinal, a comunidade cristã e católica é um povo que também depende do governo, da administração dos municípios, e seria um pecado estar fora.

A Catedral é muito mais que um prédio, é o símbolo concreto de um povo que está unido e unido em oração. Parabéns Diocese de Castanhal!, parabéns Catedral Santa Maria Mãe de Deus.

Revisão: Professora Telma Lemos.


79 visualizações