Festividade na Paróquia de São José


As narrações bíblicas sobre a salvação se inicia sobre o sim de Maria, ora se a questão é pelo fato de que se até para ser mãe de Jesus, Maria foi consultada. Ela não só aceitou como declara Eis aqui a serva do Senhor. Porém, José pensando no comportamento social da época; Uma jovem grávida antes das núpcias seria motivo de apedrejamento. Por isso preferia deixá-la em silêncio, pois a ideia de recusá-la seria a melhor maneira de contornar com o fato dela já estar grávida. “Eis que o Anjo do Senhor manifestou-se a ele em um sonho, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, pois o que nela foi gerado vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho e tu o chamarás com o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos seus pecados. José, ao despertar do sono, agiu conforme o Anjo do Senhor lhe ordenara e recebeu em sua casa sua mulher.” (Mateus 1,21-24). José na qualidade de pai adotivo de Jesus o educou de acordo com a tradição judaica, circuncisando no oitavo dia de nascimento, e o conduzindo a apresentação ao Templo, e costumava levar sua família a Jerusalém no período da páscoa. Foi em uma destas peregrinações que ao retorná-los a cidade de Nazaré perceberam que Jesus não estava na caravana. Ao voltarem ao Templo encontram Jesus conversando com os “doutores da Lei”. Ao longo dos séculos a igreja católica e ortodoxa expressão devoção a São José, o Papa Pio IX , em 08 de dezembro de 1870, o proclamou Patrono Universal da Igreja, o Papa Pio XII em 1955 instituiu o dia 1º de maio como dia de São José Operário. Além disso, o Papa Francisco iniciava seu pontificado no dia 19 de março de 2013 e apresentou São José como o “guardião”, inserindo seu nome nas Orações Eucarísticas do Missal Romano. A grande estiagem na região nordeste do país no ano de 1900 forçou a migração de nordestinos, em sua maioria cearense para o norte do país, onde se vivia o apogeu do ciclo da borracha. Castanhal ainda era vila, quando os nordestinos chegaram, trazendo em suas bagagens a força do trabalho e da religiosidade. O fervor a devoção a São José fez com que a primeira igreja tivesse ele como padroeiro. “O arcebispo benzeu o altar-mor a 19 de março de 1911, neste mesmo dia criou a freguesia de castanhal, cujo texto do decreto, segue-se: Dom Santino Maria da Silva Coutinho por mercê de Deus e da Santa Sé Apostólica Arcebispo Metropolitano de Belém do Grão Pará. Fazemos saber que tendo em vista o bem espiritual de nossos amados diocesanos, usando das atribuições que nos confere o S. Concilio de Trento (Sess. XXI de M. c. 4 e 5) havemos por bem criar as freguesias de São José de Castanhal e S. Sebastião de Igarapé-Açu a margem da estrada de ferro de Bragança, como são abaixo designadas: a freguesia de São José – terá por sede a vila do mesmo nome à margem da via férrea bragantina, cuja igreja já elevamos à dignidade de igreja Matriz com todos os privilégios que por direito lhe competirem”. Padre Luiz de Souza Leitão Livro Tombo da Paróquia de São José O arraial de São José tornou-se a festividade mais prestigiada pelos moradores, por isso o prefeito municipal de Castanhal senhor Ernani Lameira da Silva instituiu a Lei nº 017 de 14 de maio de 1949, como feriado municipal. Mas ao longo das décadas esta festividade passou a se resumir a celebração de missa solene. Mas os fiéis foram sugerindo aos párocos que se retornar-se a festividade como era feito em épocas passadas. Monsenhor Adelson Neder reiniciou a procissão em homenagem e um modesto arraial na alameda ao lado da igreja. O padre Alberto Maia Lima (Maita) em 2002 iniciou a Novena, que até hoje no dia 19 de cada mês é realizada em três horários com grande participação de fiéis. Monsenhor Gabriel assumindo a paróquia em 2004, realizando adequações necessárias nas edificações do templo, concluído anos depois. Em 19 de março de 2011, Dom Carlos Verzeletti presidio missa solene pela passagem do centenário da instalação canônica da paróquia de São José, anos depois no dia 13 de março de 2015 foi dedicado solenemente também por Dom Carlos o novo altar. Quanto à festividade, Monsenhor Gabriel transferiu a procissão para o horário da manhã, saindo da comunidade do Cenáculo no bairro do Ianetama. A programação cultural passou a ser na praça defronte a igreja e devido ser no período chuvoso, passaram a ser armadas grandes tendas. A Festividade de São José em 2018 tem como tema: “Cristãos leigos, servidores do Reino, a exemplo de São José, seguidores da Palavra” como acontece nos anos anteriores, a imagem de São José visitou diversos espaços, como escolas, empresas e órgãos públicos. No período de 10 a 19 de março a programação conta com missa às 19 horas e uma programação cultural com show musical, bingos e outros sorteios, além de uma praça de alimentação. Encerrando dia 19 com procissão saindo às 7 horas da Comunidade do Cenáculo rumo a matriz de São José, e às 19 horas Missa de Encerramento presidida por Dom Carlos Verzeletti. Arquimimo Cardoso Junior Pastoral da Comunicação


74 visualizações