I Congresso das Pequenas Comunidades

A Diocese de Castanhal realizou no Domingo, 5 de novembro, o primeiro Congresso das Pequenas Comunidades com o tema “As pequenas comunidades animadas pela Palavra, celebram sua caminhada”. O encontro reuniu centenas de fiéis e foi realizado em um terreno aberto, local amplo e fresco.

 

O bispo de Zé Doca, no Maranhão, Dom Carlos Helena, participou do encontro concelebrando com Dom Carlos Verzeletti.

A celebração foi toda transmitida pela TV Mãe de Deus, local e pelo canal da Diocese no You tube, dando oportunidade para pessoas que não puderam estar presente, acompanharem tudo em tempo real.

 

Dom Carlos refletiu sobre o Evangelho das Bem-aventuranças e foi contundente ao falar de como deve ser a vida de uma pequena comunidade.

“Este é um Congresso que desejei já há muito tempo, que nossa Diocese possa ver multiplicar as pequenas comunidades. Que possam ajudar as pessoas, que não vivem ainda sua fé como protagonistas, que não se expressam, fazendo que mostrem seus rostos e suas identidades, esta pequena comunidade precisa tirar este irmão e irmã do anonimato. Ele precisa se expressar para outros irmãos, na missa ou aqui neste Congresso não é possível, mas na pequena comunidade sim”.

 

Dom Carlos também usou como exemplo o Evangelho que lembra como o cristão deve agir. “Jesus dá atenção a cada um, e só podemos fazer isso na pequena comunidade. É bonito ser chamado pelo nome, dizer o lugar de onde veio, a comunidade etc”.

 

O sonho do bispo e antes de tudo, de Deus, é ver multiplicar as pequenas comunidades, e quem mantém essas comunidades em pé, é a Palavra, mas a Palavra que se fez carne, só sabemos fazer da nossa vida dom, se temos conosco a Palavra.

 

“Hoje celebramos os santos, e os santos são os que acolheram as Bem-aventuranças, sem se apegarem a dinheiro ou bens materiais. Na nossa Lectio Divina temos os comentários que ajudam a refletir melhor cada Evangelho, mas o melhor testemunho mesmo, são os santos, imagens nítidas e brilhantes de Jesus, temos já uma torcida no céu, os santos. Eles (os santos), nunca viveram a experiência de Jesus de forma intimista, tiveram sempre olhos para os irmãos, ninguém cresce sozinho, precisamos da comunidade, porque nos estimulam e nos socorrem”, complementou Dom Carlos.

 

Mosaico

 

Concluímos a segunda parte do nosso mosaico, e ali, nos degraus temos os santos de nossa diocese e da Igreja, pertinho da pia batismal, porque a santidade começa do batismo, a caminhada da santidade… temos ali Dom Vicente Zico, que quis a nossa Diocese, São João Paulo II que a instituiu, os pais de Santa Terezinha, Luís e Zélia, mostrando que nossas famílias podem ser santas, e São José, padroeiro de Castanhal.

 

A santidade

 

Não é só os bispos ou os padres que são chamados à santidade […] mas todas as pessoas. A santidade é obra de Deus, e por isso devemos deixar Ele agir em nós, não a conquistamos pelos nossos esforços.

 

A pequena comunidade não é um enfeite, é onde a Palavra dá fruto, e que este Congresso nos ensine a valorizar a Palavra, Que possamos viver bem este dia, dar atenção ao outro, e voltando a nossa casa e grupos, fazer essa experiência ecoar mais longe.

 

A missa ao vivo foi transmitida neste link: https://youtu.be/pEXLdcNBTBQ

Please reload